quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

Mar Imaginário, finalista do XXV Concurso de Poesias Augusto dos Anjos


MAR IMAGINÁRIO

Autor: Sérgio Bernardo (Nova Friburgo/RJ)
Pseudônimo: Daniel Ladeira
Intérprete: o autor

Praia dos pensamentos náufragos
espalhados em um oceano sem fim,
a palavra salva o que vejo.

Toda imagem de colho
tem reflexo no mar que penso,
uma ilha distante, um navio, um mastro
contra o vento e a tempestade.

A palavra salvadora de memórias
ancoradas em cais fictícios,
na captura de sons e de silêncios
tentada sobre as águas dos meus olhos,
enquanto sol quer cegá-los,
afogando neles o que na paisagem
era espanto e descoberta.

A cada mudez
estou sem ar mesmo na superfície
quando as ondas sob mim se movem.
Alcançada a palavra,
tocando-lhe as areias cobertas de conchas,
é que outra vez respiro
e limpo o sal de toda lágrima entre o mergulho
e a emersão para a claridade.

A ideia flutua: uma alga
na espuma esverdeada. O sonho acontece
entre as árvores da orla, dentro do farol,
na pedra quase submersa.
E, inteira, a praia se acende
como uma estrela que ressuscita.
E eu viro pescador e peixe, e me transformo em rede

arremessada pelo tempo.
-o-o-o-o-o-
A final do Concurso foi realizada no dia 11 de novembro de 2016 no Museu Espaço dos Anjos, em Leopoldina, MG

Nenhum comentário:

Postar um comentário