quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

3ª colocada no XXV Concurso de Poesias Augusto dos Anjos

Apresentação do dia 11 de novembro de 2016, no Museu Espaço dos Anjos, em Leopoldina, MG

3º lugar – Poesia

AUGUSTO CADÁVER

Autor: Gilberto Cardoso dos Santos (Santa Cruz/RN)
Pseudônimo: Amor Tecido
Intérprete: Fabrício Manca

Augusto dos Anjos, poeta da morte,
Tão jovem no leito sem vida jazia
Morreu atacado por pneumonia
Entregue ao destino que temos por sorte.
Um mal invisível mostrou-se mais forte
Impondo ao corpo feroz morbidez
Tirou-lhe do ser qualquer altivez
Trazendo à mente cruel prostração
Começa a maldita decomposição
Que prova a verdade dos versos que fez.

De onde vieram os versos cortantes
De góticas vestes sonoras vestidos,
Bonitos e tristes, amados, temidos,
Quais blocos de gelo no mar flutuantes?
Estrofes perfeitas e aterrorizantes
Nasceram do corpo que agora é velado
O golpe maldito enfim foi-lhe dado
A massa encefálica perdeu a batalha
Só resta o lamento e pôr a mortalha
Naquele que em vida se viu sepultado.

Se ele pudesse agora se ver
Cadáver em princípio de putrefação
O que comporia perante a visão
Do fim absurdo de seu próprio ser?
Talvez que viesse a se exceder
E em póstumos versos melhor descrevesse
O drama que expôs; bem mais entendesse
A dura verdade que poetizou
E aos favos de fel que armazenou
Com lúgubre gozo quem sabe sorvesse.

Com olhar de abutre em vida se via
À espera do instante do último alento
A perenidade de cada elemento
O punha em constante e íntima agonia
O sol do otimismo não o atraía
No vale da sombra da morte ficou
O que haveria de ser afetou
A filosofia do ser transitório
Vivia à espera do próprio velório
Com apática certeza seu afim aguardou.

Em breve os vermes na exuberância
Da carne sem vida, augusto banquete,
Tal como crianças lambendo sorvete
Irão deleitar-se sem repugnância
O ecossistema com certa elegância
O magro cadáver irá decompor
Quem sabe na pétala de fúnebre flor
No vivo tapete que venha a nascer
Augusto inspire alguém a dizer
Que o mundo é estranho, mas encantador.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário