Postagem em destaque

Regulamento do V Concurso Literário da ALLA

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Sarau do Antique: imagens

Apresentamos algumas imagens do Sarau realizado no dia 29 de outubro, por gentileza do Coordenador da Casa de Leitura Lya Botelho Alexandre Moreira, que nos ofereceu as fotografias tomadas durante o concerto realizado em Homenagem ao Centenário de Morte de Augusto dos Anjos.

Sarau do Grupo Antique, no Espaço Porão Odilon Barbosa, 29 de outubro de 2014

Sarau do Grupo Antique, no Espaço Porão Odilon Barbosa, 29 de outubro de 2014

Sarau do Grupo Antique, no Espaço Porão Odilon Barbosa, 29 de outubro de 2014

Sarau do Grupo Antique, no Espaço Porão Odilon Barbosa, 29 de outubro de 2014

Sarau do Grupo Antique, no Espaço Porão Odilon Barbosa, 29 de outubro de 2014

Sarau do Grupo Antique, no Espaço Porão Odilon Barbosa, 29 de outubro de 2014

Sarau do Grupo Antique, no Espaço Porão Odilon Barbosa, 29 de outubro de 2014

Oficina de Declamação: avaliação e imagens

A Oficina de Declamação, ministrada pelas acadêmicas Begma Tavares e Glaucia Costa, no dia 24 de outubro de 2014, foi um sucesso. Realizada em dois ambientes do Museu Espaço dos Anjos, contou com um público diversificado que deu um colorido especial ao evento. As vagas disponíveis foram totalmente preenchidas, indicando que poderiam ter sido programadas outras turmas.
Oficina de Declamação no dia 24 de outubro de 2014, Museu Espaço dos Anjos.
Com participantes de várias idades, alguns de outras cidades, a Oficina contou com representantes do Centro Educacional Conhecer, das Escolas Estaduais Justiniano da Fonseca e Judith Lintz, do Conservatório Estadual de Música Lia Salgado, além de alunos de outras instituições e de poetas diversos.

Oficina de Declamação no dia 24 de outubro de 2014, Museu Espaço dos Anjos.
Além de cumprirem o objetivo principal de abordagem das técnicas de declamação, os participantes tiveram a oportunidade de conhecer melhor o Museu Espaço dos Anjos.

Oficina de Declamação no dia 24 de outubro de 2014, Museu Espaço dos Anjos.
Durante o evento, surgiu uma reivindicação que foi devidamente anotada pelas organizadoras, com o intuito de incluir nos próximos eventos organizados pela ALLA: a realização de saraus poéticos.

Oficina de Declamação no dia 24 de outubro de 2014, Museu Espaço dos Anjos.
Recebemos, também, sugestões do pintor e poeta Viliam Dias de Oliveira, de Juiz de Fora, para outras atividades na área de criação e arte, para as quais ele se prontificou a colaborar diretamente.

Oficina de Declamação no dia 24 de outubro de 2014, Museu Espaço dos Anjos.
A Academia Leopoldinense de Letras e Artes agradece a participação de todos.


quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Análise do resultado das inscrições para o 23º Concurso Nacional de Poesias Augusto dos Anjos

O 23º Concurso Nacional de Poesias Augusto dos Anjos recebeu inscrições de 22 estados da federação. Só não há concorrentes do Acre, Amapá, Rondônia, Roraima e Tocantins. O maior número de inscrições veio do próprio estado de Minas Gerais, seguido de perto por São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia e Paraíba que completam a lista dos cinco estados com mais poemas concorrendo.

Os inscritos residem em 143 diferentes cidades, conforme indicado no mapa:

Cidades de origem dos poetas inscritos no 23º Concurso Nacional de Poesias Augusto dos Anjos.



































As dez cidades com maior número de inscritos, em ordem decrescente, foram:

Rio de Janeiro, RJ
São Paulo, SP
Belo Horizonte, MG
Leopoldina, MG
Juiz de Fora, MG
São José de Caiana, PB
Salvador, BA
Brasília, DF
Porto Alegre, RS
Cataguases, MG
Comparando-se o total de inscritos nos últimos anos temos o seguinte quadro:


Assim como em outros concursos do gênero, muitas inscrições foram invalidadas ainda na primeira fase. Nesta edição, 14,7% eram duplicatas provocadas pela dificuldade que os candidatos tiveram com a Ficha de Inscrição eletrônica. Houve, também, 14,3% de inscrições cujos autores não fizeram a remessa da documentação conforme determinado no item 5 do Edital. E já na fase de habilitação foram eliminados mais 2,4% das poesias inscritas por descumprirem outros itens do edital: mesmo pseudônimo para duas poesias, texto em prosa e postagem fora do prazo.

Assim, passaram para a fase de julgamento 411 (quatrocentos e onze) poemas, dos quais estão sendo selecionados os dez que irão para a grande final no próximo dia 14 de novembro, no Museu Espaço dos Anjos. Uma concorrência tão grande resulta numa filtragem mais aprimorada, elevando o nível final.

Histórico

O Concurso de Poesia Augusto dos Anjos foi criado pela servidora da Biblioteca Pública Municipal Luiz Eugênio Botelho, Maria Helena Vieira, e organizado pela equipe da Biblioteca. Há alguns anos, a organização passou para a responsabilidade da Secretaria Municipal de Cultura, Esporte, Lazer e Turismo. Na edição 2014, a Academia Leopoldinense de Letras e Artes (ALLA) está trabalhando juntamente com a Secretaria na organização de todo o concurso e, assim, foi montada uma equipe para cuidar da parte organizacional do evento. Um outro grupo da ALLA - composto por nomes com reconhecido saber literário - está encarregado da seleção das dez poesias finalistas.

A significativa elevação do número de participantes no Concurso reflete o trabalho de divulgação realizado pela equipe organizadora e só vem confirmar que a parceria entre a Secretaria Municipal e a ALLA foi uma decisão acertada.

Após o término das Homenagens pelo Centenário de Morte de Augusto dos Anjos, a Academia Leopoldinense de Letras e Artes fará uma reunião para avaliação do evento. Na ocasião a equipe organizadora apresentará o relato sobre o processo, os erros e acertos percebidos, e propostas para serem implementadas no próximo ano. Uma delas, observada nos primeiros dias de inscrições para o Concurso Nacional de Poesias Augusto dos Anjos, refere-se à exigência de que o candidato seja brasileiro e que o concurso seja de âmbito nacional. A sugestão é que, futuramente, possam ser aceitas inscrições de estrangeiros, desde que os poemas sejam escritos em língua portuguesa.

31 de outubro no Museu Espaço dos Anjos

Centenário de Morte de Augusto dos AnjosCom uma programação ampla e variada, o Museu Espaço dos Anjos abre suas portas amanhã, dia 31 de outubro de 2014, para oficina de fanzine, apresentação musical, lançamento do livro Belo como um abismo e da exposição Mago das Cores pelo acadêmico Elias Fajardo.

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Novas imagens do evento de 24 de outubro de 2014

A noite de 24 de outubro, no Museu Espaço dos Anjos, foi movimentada por atividades variadas como parte das Homenagens pelo Centenário de Morte de Augusto dos Anjos. Após a abertura, a cargo de Amanda Almeida e Glaucia Costa, a acadêmica Maria José Ladeira Garcia fez a palestra Um olhar em Augusto dos Anjos, cujo resumo pode ser lido aqui.



Glória Barroso declamou poesias de Augusto dos Anjos. Vejam texto da acadêmica neste endereço.




A professora Margareth Franklin falou sobre sua pesquisa sobre Memória e Patrimônio Agrodescendente de Leopoldina.


Em seguida, a professora autografou o livro Cutubas: Clube de Negros, Território de Bambas.


Ao final do evento, confraternização e agradecimentos.

Viagem delicada entre a Fantasia e a Realidade

Com este título saiu a crítica de Ivo Cardoso, no caderno Prosa & Verso do jornal O Globo de 4 de outubro de 2014, sobre o livro Belo como um Abismo, de Elias Fajardo, que será lançado em Leopoldina na próxima sexta-feira, dia 31 de outubro, no Museu Espaço dos Anjos, às 19 horas, como parte das Homenagens pelo Centenário de Morte de Augusto dos Anjos.

Ei-la:

"Há mais coisas entre o Céu e a Terra, Horácio, do que podemos imaginar” (Hamlet. Ato 1, cena 5). “Belo como um abismo”, novo romance de Elias Fajardo, é um sopro de vento fresco, que rompe o ar sufocante que cerca boa parte dos lançamentos recentes de ficção nacional. Deve fazer a alegria dos que amam a narrativa não-realista, em vez de histórias envelhecidas, engessadas.

Os acontecimentos do livro se passam em 1987, a maioria no Rio de Janeiro. Os personagens centrais são Otávio e Aparecida, um casal entrando nos 40 anos, juntos há 15 — agora em estado de desamor. Otávio é bancário, caixa do Banco do Brasil; sonhador, não consegue fechar as contas no fim do expediente. Vive obcecado em escrever um poema definitivo, mas do qual só tem o título — o que dá nome ao romance. Aparecida, ex- militante de esquerda, já trabalhou numa repartição pública. Desempregada, vende calcinhas para as amigas, para ajudar nas contas da casa do Grajaú, na Zona Norte do Rio. Figuras típicas de uma classe média que acabou.

Há outros personagens importantes. Jurema, mãe de Aparecida, é cartomante-vidente; diz que incorpora a pombajira Maria Padilha, e, na casa do Andaraí, na Zona Norte, joga búzios para suas clientes da Zona Sul. Sente-se uma charlatã no ofício, mas vai em frente. Temos também Flávio, filho de Jurema, irmão de Aparecida. Aos 30 anos, professor de Português em escolas secundárias, nao se decide entre dois papeis, quanto ao sexo. Dá a impressão de pensar que a vida sexual independe de gênero. Este elenco é completado por Emily, uma gata vira-lata, de “perfil egípcio”, do casal do Grajaú. Que recebe encarnações vindas do passado distante.

A narrativa gira ao redor de Otávio, que tem o dom da ubiquidade. Pode estar, ao mesmo tempo, em casa e em Benares, na Índia; no trabalho e em Rano, na Indonésia. Seu duplo transporta-se com facilidade para outros tempos e para outras épocas. O narrador explica: “a chave do mistério foi acionada novamente, e vai abrir mil portas, algumas pesadas.” O leitor aprende: “O dom da ubiquidade tem vantagens e desvantagens. (... ) No início assusta, sobretudo nas passagens de um tempo para outro (...) Depois o ubíquo se acostuma. Apenas salta de paraquedas, e cai noutra vida.”

As viagens astrais de Otávio se concentram em duas Emilies: a inglesa Brontë ( 18181848), autora de “O morro dos ventos uivantes”; e a poeta americana Dickinson ( 18301886). Fazem um trio com a gata Emily. O livro narra, com delicadeza, fatos da vida atormentada das duas escritoras, em seus encontros com Otávio, durante as viagens astrais.

Na trama, os mortos e os não-nascidos (há uma filha de Otávio e Aparecida, Clara, neste estado) convivem com naturalidade. Perto do desfecho, que mudará a vida de todos, Aparecida diz não acreditar “nas babaquices de astral e sobrenatural” de Otávio. O narrador sai em defesa de seu personagem: “o sobrenatural é apenas o natural revelado”. Lembremos nós, aqui nesta resenha, de Machado, no espantoso “Memorial de Aires”: “Tudo é possível; neste e nos outros mundos”.

Nesta clave, em que nunca se sabe onde começa a realidade, e onde termina a fantasia; o que é real e o que é imaginário; sem unidade temporal e espacial; entrelaçam-se, de forma menos ou mais dramática, o destino dos personagens, amorosamente criados por Elias Fajardo.

Como numa peça musical, a veloz coda, que precede as cenas finais, muda de tonalidade e de andamento. O ritmo agora é suave, pastoral. Num clima sereno, num jardim, uma fada aparece diante de Otávio. Uma epifania. Não vou revelar o que acontece. Melhor que leiam.

terça-feira, 28 de outubro de 2014

Augusto em Cord'Eu

No próximo dia 12 de novembro, no auditório do CEFET - Leopoldina, teremos a apresentação do Grupo Teatral Seiva de Luz, como parte das Homenagens pelo Centenário de Morte de Augusto dos Anjos. Segundo a diretora do grupo, Maria José de Souza Salles:


"O Grupo Teatral Seiva de Luz, fundado em Setembro do ano 2000, desde então mantém atividades culturais e sociais ininterruptas na nossa cidade e região. Tem no seu repertório tanto peças infantis, quanto de temáticas variadas, visando sempre o conteúdo educativo.
Com mais de vinte peças montadas e encenadas, de autoria própria e de autores conhecidos e celebrados como Maria Clara Machado, participa de eventos culturais em cidades vizinhas e em espaços culturais da cidade como a Casa de leitura Lya Botelho, CEFET no Festival de Cultura, Centro Cultural Humberto Mauro em Cataguases.
Nesta montagem da peça “Augusto em Cord’EU”, o Grupo faz uma viagem lúdica pelo mundo do artista com seus questionamentos e conflitos, vivendo da arte num mundo ainda tão materialista, intercalando as cenas com poemas de Augusto dos Anjos e procurando contar a trajetória do mordomo de Augusto em Leopoldina na figura simbólica de Dionísio, o personagem da peça que representa o artista na busca das suas origens, na vivência do seu ideal.
Nesta data tão significativa para todos que admiramos Augusto dos Anjos, no centenário do seu falecimento em terras de Leopoldina, agradecemos à Academia Leopoldinense de Letras pela oportunidade de prestar esta tão merecida homenagem.
Neste trabalho o Grupo reuniu artistas da nossa terra que graciosamente estão doando o seu tempo e talento na montagem deste trabalho".
A Academia Leopoldinense de Letras e Artes tem o prazer de convidar a todos para assistirem a apresentação no dia 12 de novembro, às 19:30, na rua José Peres, 558, auditório do CEFET Leopoldina. 

Antique homenageia Augusto dos Anjos

Sob a direção do acadêmico José Gabriel, o grupo musical Antique realizará uma apresentação às 19 horas de amanhã, dia 29 de outubro, no Espaço Porão Odilon Barbosa.Centenário de Morte de Augusto dos Anjos


As peças escolhidas remetem ao Nordeste (terra de Augusto), à morte (seu tema focal) e a trechos do poema "Os doentes"... Intercalados com declamação de suas poesias.

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Amigos do Choro

No próximo dia 13 de novembro o grupo musical Amigos do Choro se apresentará no Museu Espaço dos Anjos, como parte das Homenagens pelo Centenário de Morte de Augusto dos Anjos.
Amigos do Choro, de Leopoldina, MG, outubro 2013

Segundo um dos membros do grupo, trata-se de
"uma reunião de músicos amantes das canções instrumentais, priorizando, fundamentalmente, o verdadeiro gênero musical brasileiro: Chorinho! Além das execuções de chorinhos e chorões, preserva, também, o Cancioneiro Popular Brasileiro, apresentando canções de nossa galeria de bons compositores, centradas na harmonia, no ritmo e na melodia do acervo musical de nossos Seresteiros."
Convidados a todos para virem ao Museu Espaço dos Anjos no dia 13, às 19 horas.

24 de outubro de 2014 no Museu Espaço dos Anjos

Imagens das atividades do dia 24, no Museu Espaço dos Anjos, gentilmente oferecidas por Alexandre Moreira, coordenador da Casa de Leitura Lya Maria Müller Botelho.




Rememorizando Augusto dos Anjos

Palestra realizada por Maria José Ladeira Garcia, no dia 24 de outubro de 2014, no Museu Espaço dos Anjos, como parte das Homenagens pelo Centenário de Morte de Augusto dos Anjos, evento promovido pela Academia Leopoldinense de Letras e Artes - ALLA e pela Secretaria de Cultura, Esportes, Lazer e Turismo de Leopoldina, Minas Gerais.

Glória Barroso declama Augusto dos Anjos

Acadêmica Glória Barroso, cadeira número 2
Na sexta-feira, dia 24, como parte das Homenagens pelo Centenário de Morte de Augusto dos Anjos, a acadêmica Glória Barroso declamou os poemas Vozes de um Túmulo, Debaixo do Tamarindo e finalizou com a mensagem de esperança de Vozes da Morte.

A admiração de Glória pelo poeta do Eu ficou expressa em declaração recente que enviou para o blog:


"Uma razão para escolha de Augusto dos Anjos para Patrono da Academia Leopoldinense de Letras e Artes foi, naturalmente, o encontro - acaso, destino? - do poeta, nascido no distante estado da Paraíba e Leopoldina que o acolheu em vida e na morte. A construção de seu túmulo em nosso cemitério (durante a gestão de Clóvis Salgado como governador de Minas e de seu irmão, Jairo, como prefeito de Leopoldina nos anos 60) se deveu ao fato de Augusto já ter sido reconhecido, valorizado, “redescoberto” por seus pares, tomando lugar, com justiça, entre os notáveis da Poesia Brasileira.
Não só em seus pares sua Poesia encontrava eco - embora o fato comum de causar estranheza sua linguagem barroca, rebuscada e recheada de “carne podre”, “larvas malignas”, “cadáver malsão” (Como Van Gogh que chocava pintando botinas velhas, em vez de temas românticos, por não apresentar a pintura que esperavam dele, esquemas cristalizados em decadentes modelos do público) -, Augusto teve também, quando a lançou, sua arte rejeitada pelo que ela possuía de criador, inovador. Encontra eco também no povo, evidenciado pelas sucessivas edições do EU. Como tem sido declamado “Versos Íntimos” com seu verso chocante “escarra na boca que te beija”!
Sua Poesia é a expressão de suas vivências, seus questionamentos sobre a vida e a morte, a doença, as perdas, o absurdo da existência, numa visão pessimista do mundo.Mas, sob o véu do cientificismo e do vocabulário precioso, difícil, está intocada a Poesia. Para aqueles que levantam os véus que confundem, se reconhece o poeta em toda sua verdade.
A recusa de convencionalismos, (ainda que adotasse técnicas de seus antepassados: o uso do soneto, por exemplo, forma que restringe talentos menos poderosos que privilegiam forma em detrimento do conteúdo, da matéria poética) a recusa de posturas artificiais, regras impostas; o emprego de palavras do cotidiano, vistas como antipoéticas, a vida-chão, prenunciava a chamada Poesia Moderna cujo manifesto seria lançado oito anos depois da sua morte, na Semana de Arte Moderna de 1922, com alarde, polêmica e achincalhes.
O menino do Engenho de Pau d’Arco que queria ser enterrado ao pé do seu querido tamarindo, o moço que nos deixou tão cedo, e que nos legou sua poesia sofrida, angustiada e questionadora, tornou–se, afetuosamente, o Augusto que mora ali na Rua Cotegipe, nosso vizinho e patrono e inspirador da nossa Academia."

A participação de Glória Barroso no evento da última sexta-feira foi muito elogiada pelo público presente ao Museu Espaço dos Anjos. 

Missa pelo Centenário de Morte de Augusto dos Anjos

Repetindo uma prática antiga, este ano será celebrada uma missa especial pelo Centenário de Morte de Augusto Carvalho Rodrigues dos Anjos. O local escolhido foi a Capela do Asilo Santo Antônio, localizado na rua Elias Matos, número 82.

Asilo Santo Antônio, Leopoldina, Minas Gerais

Asilo Santo Antônio, Leopoldina, Minas Gerais


A celebração, em latim, será realizada no dia 6 de novembro, com início às 19 horas, dirigida pelo Monsenhor Chamel, com acompanhamento do Coral São Gregório Magno.

domingo, 26 de outubro de 2014

Leopoldina e Luiz Raphael: um caso de amor

Leopoldina e Luiz Raphael: um caso de amor
A Casa de Leitura Lya Maria Müller Botelho convida para a exposição de trabalhos de pintura em tela e madeira do artista plástico leopoldinense Luiz Raphael Domingues Rosa. A exposição fica aberta até o dia 20 de dezembro, de segunda a sexta, das 8:00 às 11:30h e das 13:00 às 17:00h. Aos sábados, das 8:00 às 11:30h. Rua José Peres, 4 - Centro, Leopoldina - MG.

Apresentação da exposição por Alexandre Moreira, Coordenador da Casa de Leitura:

"Professor, artista plástico, conservador, pesquisador, ativista cultural, memorialista são alguns dos qualificativos que Luiz Raphael Domingues Rosa soube tão bem assimilar e pelos quais é lembrado e reverenciado.
Fiel representante dos chamados “homens Renascentistas”, indivíduos de múltiplos e admiráveis talentos, deixou um legado de inestimável valor do qual, hoje, a Casa de Leitura Lya Botelho hospeda uma parcela na exposição “LEOPOLDINA E LUIZ RAPHAEL: UM CASO DE AMOR”.
Se a sua luta preservacionista é por todos conhecida, na árdua labuta em manter e impedir que desaparecessem os traços da permanência do poeta paraibano Augusto dos Anjos na cidade, é em sua expressão artística que vamos encontrar o desenhista, o pintor, o professor mas, sobretudo, o atento memorialista.
Se me permitirem fazer uma analogia, poderia dizer que o poeta e músico leopoldinense Antonio Sérgio Lima Freire (1945-2008), o Serginho do Rock e Luiz Raphael, o “Fael”, contemporâneos que foram, compartilharam uma singular característica: praticamente toda a sua produção artística é centrada em sua terra, na “pequena” Leopoldina, em seus tipos humanos e sua geografia. Cada um, à sua maneira, preservou “instantâneos” da cidade e seus arredores exaltando suas formas, seus aspectos mais corriqueiros, a sua singela beleza, preservando-a para sempre, inalterada.
Como artista plástico, autor de diversas aquarelas, desenhos telas a óleo e acrílica, Luiz Raphael associa o olhar amoroso do cidadão apaixonado pela sua terra e seu povo com um outro, mais preciso, menos idealizado, o do memorialista comprometido no registro da verdade, do real. Observa-se em muitas de suas obras a precisão quase fotográfica no desenho e colorido dos elementos arquitetônicos existentes associados a um entorno onde o ser humano e demais elementos são “interpretados” mais livremente pelo artista.
Herdeiro de uma longa tradição de pintores documentaristas que incluem nomes como Debret, Rugendas, Eckhout, só para citar os mais conhecidos, que tiveram como missão registrar em todos os seus detalhes um Brasil recém-descoberto, Luiz Raphael olha para a sua cidade com a mesma admiração de quem a vê pela primeira vez. Os “anjinhos” na festa da Igreja do Rosário, a marcante presença do Morro do Cruzeiro, as palmeiras imperiais da Praça Félix Martins, a velha sorveteria, em tudo há poesia e verdade. A realidade coexiste inseparável do olhar amoroso do artista.
Esta exposição, que acontece durante a passagem do centenário da morte do poeta Augusto dos Anjos, de quem Luiz Raphael definia-se como “mordomo”, reúne obras de diversas épocas, pertencentes a coleções particulares, inclusive da própria família do artista e que foram gentilmente cedidas graças ao valioso empenho do pesquisador leopoldinense Elias Abrahim Neto.
O visitante irá, certamente, identificar lugares e situações ao visitar a mostra, aceitando o convite do artista para “re-ler” sua cidade, renovando seu olhar e estima pelas suas belezas naturais e outras edificadas através de gerações. Nesse resgate de valores, a importância da conservação patrimonial e o seu registro através de todas as manifestações artísticas e equipamentos tecnológicos se faz evidente e necessária.
Não há futuro onde o passado é negado, omitido, abandonado. Provavelmente não teríamos o Museu Espaço dos Anjos na própria casa onde viveu e morreu o poeta, não fosse pelo empenho abnegado de Luiz Raphael Domingues Rosa. Não estaríamos hoje apreciando sua obra, não fosse o cuidado dos proprietários desses quadros expostos em conservá-los, da família Domingues Rosa e, naturalmente, do patrocínio da ENERGISA, da Prefeitura Municipal de Leopoldina, Secretaria de Educação e Secretaria de Cultura, Esportes, Turismo e Lazer de Leopoldina e o contínuo apoio da FOJB-Fundação Ormeo Junqueira Botelho.
Convidamos, então, a todos para apreciarem Leopoldina através do sensível e apaixonado olhar de um dos seus mais destacados filhos. Salve, Luiz Raphael!
Leopoldina, Novembro/Dezembro de 2014."

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

18 de outubro 2014: Entrevista na Rádio Jornal AM

Natania Nogueira e Nilza Cantoni conversam com Arnaldo Spíndola e ouvintes da Rádio Jornal AM sobre a abertura das Homenagens pelo Centenário de Morte de Augusto dos Anjos.

Amar Simplesmente Vida



A poeta Gisele Afeche convida:

Lançamento do livro Amar Simplesmente Vida

Casa das Rosas

Avenida Paulista 37
São Paulo - SP

Quarta feira 5 de novembro de 2014 das 19:30 às 21:30 hs

Sarau literário, envie textos para participar até dia 1/11

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Atividades do dia 24 de outubro

Homenagens pelo Centenário de Morte de Augusto dos Anjos 

Prosseguindo com as homenagens pelo Centenário de Morte de Augusto dos Anjos, amanhã, dia 24 de outubro de 2014, haverá Oficina de Declamação no Museu Espaço dos Anjos, com as acadêmicas Begma Tavares e Glaucia Costa.

Mais tarde, no mesmo espaço, acontecerá a palestra Um Olhar em Augusto dos Anjos, pela acadêmica Maria José Ladeira Garcia. Em seguida, declamação de poesias pela acadêmica Glória Barroso.

Encerrando o dia de homenagens, lançamento do livro Cutubas: Clube de Negros, Território de Bambas.



quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Visita e Palestra do dia 17 de outubro

Iniciada com a visita ao túmulo de Augusto dos Anjos, a abertura das Homenagens pelo Centenário de Morte do poeta teve prosseguimento com uma visita guiada ao Museu Espaço dos Anjos, instalado na casa onde ele residiu em Leopoldina.

Depois de conhecerem o espaço, os escritores de Juiz de Fora e demais convidados se acomodaram no Anfiteatro Luiz Raphael para a palestra de Daura Rocha, seguida de declamação de poesias.



Últimos dias de inscrição para a Oficina de Fanzine



Encerrar-se-ão no próximo dia 27 de outubro as inscrições para a Oficina de Fanzine. A Ficha de Inscrição deverá ser preenchida e entregue no Museu Espaço dos Anjos, Rua Barão de Cotegipe, 386 - Leopoldina - MG, até o dia 27 de outubro de 2014. O Comprovante de Inscrição será exigido para acesso à Oficina.

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

17 de outubro: primeira parte do programa de abertura das homenagens.

Conforme previsto em nossa programação, na sexta-feira, dia 17 de outubro, foram iniciadas as homenagens pelo Centenário de Morte de Augusto dos Anjos. Pouco antes das 15 horas o grupo de escritores de Juiz de Fora foi recebido por funcionários da Secretaria de Cultura no portão principal do Cemitério Público Municipal Nossa Senhora do Carmo. Ao final da rampa de acesso, fizeram uma pequena pausa para se refrescarem com água gelada e sucos. Às 15 horas todos se dirigiram ao túmulo do poeta, no qual a Secretária Jussara depositou um vaso de flores.

O presidente da Academia Leopoldinense de Letras e Artes, Ronald Alvim, acompanhado dos acadêmicos Glaucia Costa, Glória Barroso, Luiz de Melo e Nilza Cantoni, estiveram presentes à cerimônia, recepcionando os convidados e falando um pouco sobre a ligação do poeta com a cidade.

Logo depois os membros da ALLA acompanharam os visitantes num passeio pela cidade, seguido por visita à Casa de Cultura Lya Maria Müller Botelho, onde foram recebidos pelo diretor Alexandre Moreira.

Visita ao Túmulo de Augusto dos Anjos dia 17 de outubro de 2014 Visita ao Túmulo de Augusto dos Anjos dia 17 de outubro de 2014
Visita ao Túmulo de Augusto dos Anjos dia 17 de outubro de 2014

Visita à Casa de Leitura Lya Maria Müller Botelho Visita à Casa de Leitura Lya Maria Müller Botelho

Visita à Casa de Leitura Lya Maria Müller Botelho Visita à Casa de Leitura Lya Maria Müller Botelho


Para a segunda parte do programa, os visitantes foram levados para o Museu Espaço do Anjos.


quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Abertura das homenagens ao Centenário de Morte de Augusto dos Anjos.

Centenário de Morte de Augusto dos Anjos

Amanhã, dia 17 de outubro de 2014,
às 15 horas, visita ao túmulo do poeta no Cemitério Nossa Senhora do Carmo;
às 17 horas, visita guiada co Museu Espaço dos Anjos;
às 18:30, Lembrando Augusto dos Anjos: Sarau com Daura Rocha e um grupo de escritores de Juiz de Fora.

terça-feira, 14 de outubro de 2014

Abertura das Homenagens a Augusto dos Anjos




A Academia Leopoldinense de Letras e Artes tem o prazer de reiterar o convite para a abertura das Homenagens pelo Centenário de Morte de Augusto dos Anjos.

Na próxima sexta-feira, dia 17 de outubro, às 15 horas receberemos um grupo de escritores de Juiz de Fora para uma visita ao túmulo do poeta. Será a primeira das visitas programadas, como ato de reconhecimento pela importância que sua passagem por Leopoldina, tão rápida e fugaz, teve para a nossa cidade. Convidamos a todos para participarem da homenagem.

Desde a década de 1920 tais visitas são realizadas, sendo que muitas foram noticiadas em jornais locais, do Rio de Janeiro e da Paraíba. Neste ano de 2014, outras acontecerão durante a programação, com destaque para a que será realizada pelos alunos do Centro Educacional Conhecer no dia do centenário de morte, 12 de novembro, com declamação de poesias à beira do túmulo.

A segunda parte do programa do dia 17 será a Visita ao Museu Espaço dos Anjos, às 17 horas, ocasião em que poetas de Juiz de Fora conhecerão a casa onde o patrono de nossa Academmia passou os últimos meses de vida. 

Em seguida, no Espaço Luiz Raphael, ali mesmo no Museu, acontecerá o Sarau capitaneado pela leopoldinense Daura Rocha, radicada em Juiz de Fora. Membro da Academia Manchester de Letras, Daura estará acompanhada de companheiros da mesma instituição, além de membros da Academia Juiz-forana de Letras e do Café com Poesia e Arte, grupo cultural sediado em Juiz de Fora e do qual faz parte também a nossa acadêmica Glória Barroso.

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Oficina de Declamação: últimos dias para inscrição



Encerrar-se-ão no próximo dia 20 de outubro as inscrições para a Oficina de Declamação. A Ficha de Inscrição deverá ser preenchida e entregue no Museu Espaço dos Anjos, Rua Barão de Cotegipe, 386 - Leopoldina - MG, até o dia 20 de outubro de 2014. O Comprovante de Inscrição será exigido para acesso à Oficina.

Ciclo de Comunicações Acadêmicas




Encerrar-se-ão na próxima segunda-feira, dia 20 de outubro de 2014, as inscrições para o Ciclo de Comunicações Acadêmicas Augusto dos Anjos.

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO:

1) Serão aceitas inscrições até o dia 20 de outubro de 2014, exclusivamente através do e-mail: museuespacodosanjos.leopoldina@gmail.com

2) Tema das comunicações: Augusto dos Anjos

3) Tempo disponível para apresentação: 15 a 20 minutos

4) As comunicações serão realizadas no horário de 14h00 às 15h30 (3 comunicações e perguntas) e 15h30 às 17h00 (3 comunicações e perguntas) nos dias 12, 13 e 14 de novembro de 2014, na Casa de Leitura Lya Maria Müller Botelho (Rua José Peres, 04 – Centro – Leopoldina/MG).

5) Indicar no assunto: Inscrição de comunicação para dia (completar com a data solicitada).

6) Indicar no corpo do e-mail: nome completo, telefone de contato, endereço completo (rua/avenida, bairro, cidade, estado, CEP), instituição de origem e título da comunicação.

7) Anexar ao e-mail de inscrição um resumo da comunicação em fonte Arial 14, espaço 1,5, máximo de 400 palavras.

8) A confirmação do aceite será publicada em www.academialeopoldinense.net e enviada até o dia 01 de novembro de 2014 através do e-mail utilizado para inscrição.

9) Um extrato dos resumos aprovados será utilizado na divulgação do evento.

10) Após as apresentações, os resumos das comunicações serão publicados em www.academialeopoldinense.net.

11) Será emitido certificado de participação.

12) A organização do evento poderá cancelar quaisquer horários e dias indicados, caso não haja número suficiente de inscrições.

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Fim do Prazo de Inscrição para o 23º Concurso Nacional de Poesias Augusto dos Anjos


Conforme o Edital do concurso, o período de inscrição está terminando hoje, dia 10 de outubro de 2014. Num levantamento parcial realizado nesta última semana, observou-se que o total de inscritos já havia superado em 109% o maior número obtido nos últimos sete anos. 

Nos próximos dias, com a chegada das remessas feitas pelos poetas nestes dias derradeiros, concluiremos o processo de triagem e teremos o total de inscrições válidas. Entre 2008 e 2011, o número final representou 85% do total de inscrições, em média. Em 2012 não foi feito o levantamento e a estimativa divulgada pelos organizadores da época mostrou-se inconsistente, indicando que teria sido, proporcionalmente, o ano com o menor número de poemas válidos no período avaliado.

Este ano observamos que a maioria das exclusões tem sido determinada pela duplicidade de inscrições eletrônicas e pelo descumprimento de normas estabelecidas no edital, como o uso do mesmo pseudônimo para duas poesias.

Até a final, no dia 14 de novembro, divulgaremos outras notícias sobre as Homenagens pelo Centenário de Morte de Augusto dos Anjos. 

terça-feira, 7 de outubro de 2014

PILE – Projeto de Incentivo a Leitura na Escola

Professor Jairo César e aluna - Projeto PILE, Sapé, PB

No dia 11 de novembro o professor paraibano Jairo César estará no CAIC às 15 horas para conversar com profissionais de educação básica sobre esta política pública de incentivo à leitura literária implantada em Sapé, PB, a terra natal de Augusto dos Anjos. 


Em sua página numa rede social, Jairo César aborda uma das atividades do projeto esclarecendo que "o passeio literário é uma ação do PILE Secad Sapé , que visa proporcionar aos alunos envolvidos no projeto, atividades que envolvam a leitura literária em diversos ambientes".

São técnicas realizadas com grupos de leitura para aumentar a utilização da biblioteca, além de fomentar um desenvolvimento literário e cultural dos alunos. 

segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Encerramento das Inscrições para o Concurso de Poesias



Na próxima sexta-feira, dia 10 de outubro de 2014, encerrar-se-ão as inscrições para o 23º Concurso Nacional de Poesias Augusto dos Anjos.


A entrega da(s) poesia(s) e da documentação poderá ser feita pessoalmente no endereço abaixo, entre 8 e 13 horas, ou através de remessa, via correio, com Aviso de Recebimento (AR).


23º Concurso Nacional de Poesias Augusto dos Anjos/2014.

Secretaria Municipal de Cultura, Esporte, Lazer e Turismo
Rua Barão de Cotegipe – 386 - Centro
Leopoldina/MG - CEP 36700-000

O autor que optar pela entrega via correio também deverá cumprir o prazo de inscrição do concurso, ou seja, a data registrada no carimbo dos correios não poderá ser posterior a 10 de outubro de 2014. 

Não serão aceitas inscrições efetuadas por fax, e-mail ou manuscritas.


O Edital completo está disponível neste endereço.