sexta-feira, 13 de novembro de 2015

Augusto dos Anjos, uma poética do corpo

A noite do dia 12 de novembro de 2015, no Museu Espaço dos Anjos, começou com uma palestra do Professor Fernando Fábio Fiorese Furtado.

Numa abordagem da obra de Augusto dos Anjos através das representações do corpo sob diversas formas, Fiorese nos contou, também, como se aproximou da poética de Augusto, ainda bem pequeno, quando morava na cidade natal, Pirapetinga. Sua fala tranquila e muito bem encadeada dirigiu a plateia para um tempo e um lugar relativamente próximos, mas do qual muitos de nós nos esquecemos.
A seguir, fez uma ligeira apresentação de seu primeiro romance: Um Chão de presas fáceis, e passou a autografá-lo.


O livro passeia pela BR-116, a Rio-Bahia, trazendo "causos" e casos recolhidos em diversas localidades do leste de Minas Gerais. Como o que começa assim:
"São várias e desencontradas as notícias acerca dos rumos que seguiram as muitas mulheres e os homens expulsos das terras da Barra do Pontal por ordem do impiedoso  padre Carlos Pereira."
Quem foi este padre? Onde é Barra do Pontal? O que aconteceu com sua gente? 
Curiosidade despertada, a leitura flui rápida e vai dando a perceber a "moral da história: em Minas, apenas quando em dobro, o desastre ensina".

Para os leopoldinenses, especialmente para os amantes do distrito de Piacatuba: o autor fala da Cruz Queimada de uma forma muito interessante.

A Academia Leopoldinense de Letras e Artes e a Secretaria Municipal de Cultura agradecem ao Professor Fiorese por ter aceitado o convite para vir a Leopoldina abrilhantar a Semana Anjosiana. E agradecem, também, ao público que prestigiou o evento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário